sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Mago Poeta...


Enchente sem rima

Assisti atento, um verso escorrendo pelo chão,
Como dor afogando-se, num lamento, em vão.
Vislumbrei uma fagulha imensa, no céu escuro,
uma cascata, um rio intenso, enchente no coração!

Águas e letras misturadas,
sôfregas almas, em pranto,
poesias trágicas, inundadas,
no concreto, no manto...

Haverá arte, em morrer soterrado?
Poesia que descreva a dor?
Sou um poeta inundado,
no pranto, no fulgor...

A dor do povo esquecido,
do pobre, do condenado...
É a mesma dor do rico,
é o sino do vitimado!

Assim me vem a avalanche,
a enchente suja do rio,
assim me vai o instante
a chuva levou a rima,
dos morros do Brasil!


Mando Mago Poeta 21:03 28/1/2010


6 comentários:

Juliana Lira disse...

Que poema forte!

"A chuva levou a rima,
dos morros do Brasil!"

Triste não? Mas tão real, é preciso encarar a realidade de frente.Mesmo que
seja dura.Quem sabe assim melhoramos ela?

Milhões de beijos

Anita "Menina Flor" disse...

A dor faz amadurecer mais rápido. Bjs

Ira Buscacio disse...

Minha querida amiga, Carlinha.

Triste o poema e não poderia ter msm rima. O que é necessário? Mais amor!

Que vc tenha uma semana de muita luz.

Bjs

Maria Emília disse...

Fantástico este poema de Mango Mago Poeta.
Há artistas que pintam escrevendo e escrevem pintando.
Obrigada Carla por no-lo trazeres aqui.
Um grande beijinho,
Maria Emília

Gisa disse...

Que foto !! registrada num momento de dor e desespero, dói o coração.

Bjs pra vc querida... vamos encher nossa semana de sol.

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Parabéns ao amigo,autor do poema.Tirou da dor várias inquietações, questões a se pensar.Falou até de problemas sociais num só poema.Infelizmente, na dor há poesia sim, mas há os que sabem fazer da dor uma poesia, pelo menos para nos abrir os olhos para causas importantes.Parabéns