segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009


Enquanto uns reclamam que não tem nada à mesa, mesmo tendo, outros comem as milhagas rejeitadas por algum distraído que passava pelo local.

Você ainda tem coragem de reclamar da sua situação vendo esta foto?






Crédito de imagem
Leando Sarno

5 comentários:

van... disse...

Sente-se amado aquele que não vê transformada a mágoa em munição na hora da discussão.

Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente inteiro.
Aquele que sabe que tudo pode ser dito e compreendido.

Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é,
Sem inventar um personagem para a relação,
Pois personagem nenhum se sustenta muito tempo.

Sente-se amado quem não ofega, mas suspira;
Quem não levanta a voz, mas fala;
Quem não concorda, mas escuta.

Agora, sente-se e escute: Eu te amo não diz tudo!
(Arnaldo Jabor)

Olavo disse...

Nunca reclamei..agradeço sempre por tudo que tenho..
beijos

Palavras de Osho disse...

É forte mesmo ... Me lembrou muito uma foto de Kevin Carter (http://www.studium.iar.unicamp.br/13/2.html?studium=index.html)

Carla Fabiane disse...

AMIGO OLAVO...
É ISSO, DEVEMOS SER GRATOS SEPRE A DEUS!
BEIJOS

Carla Fabiane disse...

OSHO...
SUA PRESENÇA SEMPRE ACRESCENTANDO UMA GRANDE SABEDORIA, ME FAZ APRENDER SEMPRE MAIS...
SUA DICA: Quando pensei em fazer uma análise de uma fotografia, logo veio à minha mente uma imagem que chegou a mim pelo correio eletrônico, sem legenda e nenhuma referência. A fotografia me deixou bastante impressionada. É uma cena com dois elementos, a menina e a ave, mas, para mim, tinha todos os significados do mundo. Via a criança morrendo de inanição, só, e o urubu à sua espreita. Ela falava da morte, mas mais que isso, do descaso humano. Como podem os homens chegar a este ponto! O que me confortou, por um momento, foi a presença de uma pessoa, o fotógrafo. Ao menos ele estava ali. Queria saber a história da foto. Onde tinha acontecido, o que o fotógrafo tinha feito.

Aquela cena tinha se cristalizado no papel, gravando a realidade em dado espaço e tempo. Foi o assunto selecionado, a escolha e as ações do fotógrafo, enfim, o processo de construção da representação do fotógrafo - a primeira realidade, ou realidade interior da imagem fotográfica, a história do assunto no passado. Porém, a construção foi a partir do real; desse modo, a fotografia era um documento do real, e a imagem obtida, sua segunda realidade - o assunto representado, o conteúdo explícito da imagem fotográfica. Para decodificá-la deveria conhecer sua história, o processo de criação do fotógrafo, suas intenções. É o que nos ensina Kossoy (1999).
Kevin Carter (http://www.studium.iar.unicamp.br/13/2.html?studium=index.html)

BEIJOS