sábado, 25 de outubro de 2008

(Eder Quirino)


À nossa espera, aguarda, hospitaleira Aquela casinha escondida na serra Alva como as nuvens que a espreitam Como um troféu bendito do nosso amor Ainda que nela nunca tenhamos pisado É lá onde guardamos as deixas dos dias Onde imaginamos nossas pornografias! Uma casinha esmera lá no alto, brejeira... Um detalhe de enfeite plantado na terra Dessas casas de sonho, parece flutuar; Uma fortaleza de nossas intenções Se for que assim estamos: estruturados A flagela construção torna-se um edifício Viver sem você é que é mesmo difícil! Lar, dulcíssimo lar; à nossa maneira. Bem longe do desespero, longe de guerra. Aquele cantinho aconchegante, leve... Onde imprimimos nossas aspirações E a sensação de estar acolhido Na arquitetura de nossa ligação A casa, lá no cume bem alto da Paixão!

3 comentários:

Quirinus disse...

Carla, senti-me deveras honrado ao ver uma extensão do meu trabalho como poeta postada em seu blog.
Quero convidar você e seus amigos para conhecer minha vertente como compositor, num prévia do cd Surpresa Boa, no meu MySpace:

www.myspace.com/ederquirino

Por gentileza, gostando ajude a divulgar.
Grande abraço e muita luz!

Eder Quirino

Carla Fabiane disse...

A HONRA É MINHA QUIRINUS...
ÉS UM BELÍSSIMO POETA E COMPOSITOR...
PARABÉNS!
MUITA UZ E SUCESSO!
BJS
NÃO CONSEGUI VISUALIZAR SEU BLOG, SE POSSIVEL ME ENVIE O ENDEREÇO.

Eder Quirino disse...

http://ederquirino.blogspot.com/