segunda-feira, 28 de julho de 2008

MUITOS GESTOS...

Quando as palavras calam, os gestos falam.

Vivemos às vezes situações em que as palavras parecem desaparecer do nosso vocabulário. Elas ficam todas emboladas no nosso estômago, sobem até a garganta e não sabemos, não temos idéia de como colocá-las para fora. São muitas vezes quando nossos amigos mais precisam de nós. E, justamente, é aí que encontramos essa barreira. Não sabemos o que dizer, não temos explicação aceitável para o sofrimento, temos medo de falar algo que não devemos e nos quietamos.

Achamos com facilidade palavras, repetidas e gastas mesmo na maioria das vezes, para expressar nossa alegria, nosso desejo de felicidade ao outro e não nos importamos se alguém já disse ou não. Pegamos emprestadas essas frases corriqueiras e fazemos delas nossa mensagem. E nossos amigos recebem isso de coração aberto, sorriso estampado, porque eles fazem também uso disso. É de praxe, é normal, é gentil, é nobre. É milhões de vezes melhor que o esquecimento.

Nossa grande dificuldade é expressar em palavras de consolo quando nós mesmos temos um coração moído pela dor de ver o sofrimento do outro e termos a consciência que não podemos fazer nada!

Vai passar, sabemos disso, pois todas as dores passam, como passam as noites de lua e os dias de sol. Nada é estável e constante.

E queríamos tanto encontrar as palavras exatas que amenizasse o sofrimento, que trouxesse consolo imediato, que anestesiasse ou curasse de vez! E lá, nesse exato instante, as palavras morrem.

Mas eis um segredo que só os anjos conhecem: os gestos falam!

Flores falam muito. Um beijo fala. Um afago fala de voz doce e suave. Uma presença, mesmo calada, fala demais. Um abraço fala muito alto. Um olhar sincero diz tanto! Uma mão que segura outra mão fala como várias bocas e centenas de corações...

Quando as palavras se recusarem a sair de você, fale com gestos. O outro compreenderá.

Seja você o anjo calado que vai trazer um lenço e vai ficar do lado para o outro se sentir menos sozinho. Dar de si vale mais que todas as palavras do dicionário juntas. E nesses instantes, Deus se cala também. Ele se contenta, como nós, de olhar com ternura e Ele sente prazer em nós.

2 comentários:

Carla Fabiane disse...

Hoje eu falo de gestos. O que eles dizem, sem que tenhamos a necessidade das letras. Não creio que existam analfabetos de gestos, pois que uma simples presença é capaz de dizer muito.
Outro dia um casal de amigos meu, perdeu um filhinho. Doeu meu coração. E eu também fiquei assim, sem saber o que dizer, por que eu também queria entender e, sobretudo, aceitar. E todas as palavras fugiram de mim e fiquei me perguntando o que iria dizer. Daí, disse o menos possível. Peguei o telefone e simplesmente disse: estou aqui. E ela respondeu: nós sabemos.
Muitas vezes é suficiente que as pessoas saibam da nossa presença. Eu já percebi que não existem muitos anjos tagarelas. Mas sabemos da presença deles e nos sentimos reconfortados. Devemos nos comportar dessa forma também quando não soubermos muito bem o que dizer: em silêncio seguramos as mãos e ficamos ali.
Aqui vai nosso texto. Uma forma de mostrar que absolutamente todo mundo pode ser útil a alguém nos momentos difíceis.

Carla Fabiane disse...

Um dia a lágrima disse ao sorriso: invejo-te porque vives sempre feliz. O sorriso respondeu: engana-te, pois muitas vezes sou apenas o disfarce da tua dor.