segunda-feira, 28 de julho de 2008

MUITA LAMENTAÇÂO...

“Uma ostra que não foi ferida não produz pérolas"... As pérolas são feridas curadas.
Pérolas são produtos da dor;
resultados da entrada de uma substância estranha ou indesejável no interior da ostra, como um parasita ou um grão de areia.
Na parte interna da concha é encontrada uma substância lustrosa chamada NÁCAR. Quando um grão de areia a penetra, as células do NÁCAR começam a trabalhar e cobrem o grão de areia com camadas e mais camadas, para proteger o corpo indefeso da ostra.
Como resultado, uma linda pérola vai se formando. Uma ostra que não foi ferida, de algum modo, não produz pérolas, pois a pérola é uma ferida cicatrizada...
Você já se sentiu ferido pelas palavras rudes de alguém?
Já foi acusado de ter dito coisas que não disse? Suas idéias já foram rejeitadas, ou mal interpretadas?
Você já sofreu os duros golpes do preconceito?
Já recebeu o troco da indiferença
ENTÃO, PRODUZA UMA PÉROLA!!!
Cubra suas mágoas com várias camadas de amor. Infelizmente, são poucas as pessoas que se interessam
por esse tipo de movimento. A maioria aprende apenas
a cultivar ressentimentos, deixando as feridas abertas, alimentando-as com vários tipos de sentimentos
pequenos e, portanto, não permitindo que cicatrizem.
Assim, na prática, o que vemos são muitas"Ostras Vazias”, não porque não tenham sido feridas,
mas, porque não souberam perdoar, compreender e transformar a dor em amor.
Um sorriso, um olhar, um gesto, na maioria das vezes, fala mais que mil palavras.

oro%2520besitos

Um comentário:

Carla Fabiane disse...

Somos uma sementinha plantada por Deus para que a terra floresça e dê frutos.

Mas às vezes em tempo de estia é difícil continuar a crescer. E, oprimidos, nos tornamos poços de lamentações, apiedados da nossa sorte. Caímos num buraco sem fundo e ficamos à espera que outros percebam nosso sofrimento e nos estendam a mão.

Porém, é inútil ficar no nosso canto chorando nosso destino e nossa dor. Se não podemos ou não temos força suficiente para mudar uma situação, que a aceitemos para que possamos melhor viver com ela.

Mude sua vida, faça uma vira-volta, ou aceite-a, com paz no coração!

É pesado, difícil, conviver com pessoas que se lastimam o tempo todo e não movem um dedo para mudar. E enquanto essas choram e se lamentam, do lado de fora da janela a vida explode sem se importar.

O mundo não para quando decidimos não mais caminhar; o mundo não chora quando choramos e não se alegra com nossa felicidade. Quando nascemos ele já existia e provavelmente quando nos formos, continuará existindo. Somos nós os passantes.

Todos temos em nós a força e a capacidade de mudar alguma coisa. Mas nem todos conseguem dar o passo à frente. Daí o sentimento de pesar, de pequenez, de nada mesmo muitas vezes. Daí a auto-piedade que é o desprezo, a diminuição de si mesmo. E ela não nos conduz a lugar nenhum, a não ser ainda mais fundo no poço ao qual nos atiramos. Ninguém nos exalta por que sente pena de nós e não crescemos diante dos outros por que temos dó de nós mesmos.

Por estranho que pareça, as pessoas podem até chegar aos que se sentem diminuídos e sofridos com o intuito de querer ajudar. Mas com o passar do tempo, se nada parece mudar, elas acabam se afastando. Ter pessoas negativas sempre por perto acaba influenciando a vida, da mesma forma como a alegria contagia. Voltamo-nos então, mais facilmente para aquilo que é bom, que pode melhorar nossa existência. E isso nada tem a ver com egoísmo das pessoas, mas com a busca de uma vida mais alegre e menos dolorosa.

Então, não espere pelos outros para mudar algo na sua vida. Espere por si! Não cobre dos outros, cobre de si. Faça algo de positivo!

Se você quer ter sempre pessoas em volta de você, cante e ria mais vezes.

As horas gastas em psicólogos podem ser trocadas de vez em quando por uma boa ação, uma visita a um asilo, a um hospital, a alguém que precisa de companhia. Quando a bondade sai dos nossos gestos, a paz entra no nosso corpo. Sentir-se útil é uma excelente maneira de começar a sair do poço. E há tanta gente no mundo precisando que sejamos úteis!

Construa sonhos, dê asas a eles, mas dê também pés. É importante que de vez em quando os pés toquem o chão, que conheçamos a dureza da vida, os nãos que nos decepcionam tanto, o sentimento de desejar, a estranha e deliciosa agonia de não se saber se se vai ou não chegar ao ponto final, mas a determinação de continuar apesar de tudo. Todo mundo passa por isso, ninguém é exceção. Tudo isso é vida, faz parte dela.

Viver é mais que trabalhar, comer, dormir e acordar. Viver é tirar proveito dos momentos que nos são ofertados, é sentir prazer neles, é o suspiro que vem do âmago e que não sabemos explicar. Viver é amar a própria vida do jeito que ela se oferece e se isso não nos satisfaz, ainda é possível colocar um colorido aqui ou lá de vez em quando se colocamos um pouco de boa-vontade.